Fábrica Moagem Sampaio

Fábrica Moagem Sampaio

A moagem de Sampaio é um edifício erigido em inícios do séc. XX, num momento chave do panorama económico concelhio, traduzido na transição de uma produção rural e artesanal para um sistema de produção industrializado moderno. Inicialmente uma cavalariça, o edifício foi adaptado na década de 1910 para moagem de trigo e milho. As evidências documentais mais antigas conhecidas são registo do motor Hornsby-Stockport (1917) e o alvará para funcionamento (1918). A moagem de Sampaio, sob gestão da firma “Morujão & Lourinha, Lda.”, laborava nas imediações de centros produtivos agrícolas, como a quinta Sampaio e a quinta de Calhariz, recebendo cereais provenientes de todo o Concelho. Ao processamento destes cereais, para produção de farinhas em rama, juntou-se a torrefacção de café no ano de 1946. Esta pequena moagem rural entra em declínio e cessa actividade nas décadas de 1980 e 1990, estando já sob exploração de Manuel Félix dos Santos, antigo funcionário.
Para conservar esta parte importante da história do município, a Autarquia levou a cabo a conservação in situ e musealização do edifício e do seu recheio, transformando-o num núcleo museológico. São temas explorados a história da fábrica, a força motriz ali aplicada, a recuperação do motor Hornsby-Stockport, a moagem de cereais em mós francesas, a limpeza e molhagem do cereal e o trabalho agrícola. O núcleo oferece ainda uma zona dedicada às iniciativas do Serviço Educativo e uma zona de acolhimento em que se contextualiza a riqueza rural do Concelho na década de 1930.

CUNHA, Rui. Arqueologia Industrial:Panorama da Indústria Moageira Portuguesa, no século XX, e a Empreza de Moagem do Fundão, Ld.ª. (2 vol). Dissertação em História, Especialidade em Arqueologia, apresentada à FCSH da UNL, para obtenção do grau de Doutor, 2013.
DOMINGUES, Adelina – Moagem de Sampaio: inventário de bens. Relatório técnico. Não publicado. Câmara Municipal de Sesimbra, 2004.
MARQUES, Rui – Engenhos de moagem de cereais do concelho de Sesimbra, in “Molinologia Portuguesa”, n.º 5. Belas: Etnoideia, 2013 (no prelo).
MARQUES, Rui – Engenhos de moagem de cereais do concelho de Sesimbra. Sesimbra: Câmara Municipal de Sesimbra, 2012.
RODRIGUES, Raul – Artes e ofícios em Sesimbra (1925/1950). Sesimbra: Câmara Municipal de Sesimbra, 2003.
Fundo documental “Moagem de Sampaio”, disponível na Divisão de Arquivo Municipal e gestão Documental
Grace’s Guide – British Industrial History

Contactos:

Tel: 212288500, 212288206 / 207, Fax: 212288265, e-mail: museu@cm-sesimbra.pt, rui.marques@cm-sesimbra.pt

Parceiro:

Moagem Sampaio

O que pode ver

  • Conjunto Edificado

    Conjunto Edificado

    Todo o conjunto edificado da Moagem de Sampaio está intimamente ligado às funções da fábrica. Para além do edifício principal, destaca-se a área ligada à torrefacção de café que funcionou a partir de 1946, o tanque exterior de arrefecimento da água de refrigeração da instalação Hornsby-Stockport e o poço de onde provinha esta mesma água.

  • Sala do Motor

    Sala do Motor

    É na sala do motor da Moagem de Sampaio que se preserva a mais relevante peça de todo o núcleo museológico. Trata-se do motor a gasogénio Hornsby-Stockport de 1908 que durante mais de meio século permitiu o funcionamento de toda a unidade, já que transmitia força à bancada de mós, à maquinaria de limpeza do cereal e ainda a um dínamo que gerava energia para iluminação. Esta sala é dedicada à história da Moagem de Sampaio, à história do motor...

  • Zona de limpeza do cereal

    Zona de limpeza do cereal

    Vindo das eiras, onde era debulhado, o cereal chegava à Moagem de Sampaio misturado com impurezas e outras sementes, havendo que proceder à sua limpeza. Este processo ocorria no piso superior do edifício em três máquinas distintas: um combinado de limpeza, uma bandeja despedradora e um trieur. Depois de limpo o cereal era molhado e repousava 10 a 24 horas em tegões.
    Nesta zona pode observar-se toda a maquinaria de limpeza em funcionamento.

  • Sala de Moagem

    Sala de Moagem

    É nesta sala que ocorre a moagem propriamente dita. Para tal tarefa recorria-se a uma bancada de três casais de mós francesas, hoje em funcionamento. Para além desta, observa-se o conjunto de motores eléctricos que substituíram o motor Stockport a partir da década de 1970 e ainda uma balança decimal para pesagem dos sacos de farinha. A sala é dedicada ao processo de moagem e à temática “As pessoas da Moagem”.

  • Motor Hornsby-Stockport

    Motor Hornsby-Stockport

    Durante mais de meio século a Moagem de Sampaio foi animada por um motor a gasogénio, fabricado pela companhia de Richard Hornsby, nas oficinas da Stockport Gas Engine Works, em Stockport, Inglaterra. Esta peça cuja produção terá acontecido em 1908 considerando o seu número de série “28239”, atesta a evolução da engenharia mecânica numa época de rápida mudança tecnológica. O Hornsby-Stockport da Moagem de Sampaio foi registado em Portugal a 20 de Novembro de 1917, pela 4ª repartição da Direcção...

  • Combinado de Limpeza

    Combinado de Limpeza

    Os combinados de limpeza foram concebidos para pequenas moagens, já que evitam a montagem de máquinas separadas para finalidades distintas, poupando assim espaço. Esta máquina cumpre as funções de crivo, sopro, selecção e escovagem do cereal, permitindo a remoção de palhas miúdas (moinha), de pó, de sementes diversase de outras matérias nocivas à farinação. Possui ainda um íman para remoção de pedaços de arame de fardo que tenha ficado no campo em resultado do trabalho de anos anteriores. Em funcionamento.

  • Bandeja despedradora

    Bandeja despedradora

    Esta bandeja recorre à força da gravidade para separar elementos de maior massa (as pedras) de outros de menor massa (o cereal). Consiste numa caixa triangular de madeira, inclinada no sentido do vértice do triângulo e que oscila em varas flexíveis pela acção de um excêntrico accionado por uma correia. No interior da caixa, os golpes dados ao cereal pelos vértices de caixas triangulares mais pequenas ali existentes obrigam-no a subir, contrariando a força da gravidade, e a sair da...

  • Trieur Marot

    Trieur Marot

    Crivo rotativo que permite separar trigo inteiro de trigo partido e de outras sementes, recorrendo para tal a uma selecção por tamanho e forma. Possui dois elementos fundamentais montados num plano ligeiramente inclinado: um cilindro com alvéolos de diferentes dimensões e, dentro deste, um veio sem-fim.
    Inicialmente o cereal e demais sementes são vertidos para dentro do cilindro em rotação. Sucede então que aquelas sementes e o trigo partido, pela sua forma, ficam alojados nos alvéolos até que a...

  • Bancada de três casais de mós francesas

    Bancada de três casais de mós francesas

    Três casais de mós francesas montados na bancada existente no corpo central da moagem, construída em ferro fundido e madeira, e que apresenta a marca “EGC Edgard”. A transmissão de potência, feita por correia em lona, engatava primeiramente num tambor livre, existente por debaixo da bancada e que tinha por função minimizar o esforço do motor face à inércia dos mecanismos. Posteriormente, fazendo deslizar a lona por meio de alavanca, a potência passava para o eixo da bancada, por meio...

GPS:

N 38°27'55.90" W 9°05'48.68”

Localização:

E.N. 379, Rua da Terra da Eira, Sampaio, 2970 - Sesimbra

Como chegar cá?

De automóvel:
Vindo de Setúbal: EN 379 direcção Azeitão, EN 379 direcção Sesimbra, sinalética Moagem de Sampaio.
Vindo de Lisboa: Atravessar a Ponte 25 de Abril direcção Sul, A2 direcção Sul, EN 378 direcção Sesimbra, sinalética Moagem de Sampaio.
De autocarro:
Vindo de Setúbal: Transportes Sul do Tejo, carreira n.º230, paragem em Santana (10 minutos a pé da Moagem de Sampaio).
Vindo de Lisboa: Transportes Sul do Tejo (Praça de Espanha), carreiras n.º 207 (via AE), paragem em Santana (10 minutos a pé da Moagem de Sampaio) e carreira n.º 260 (via Laranjeiro), paragem em Santana (10 minutos a pé da Moagem de Sampaio) .